Bernard Lompré

Tatouages, Permaculture et Spiritualité

En pratique

Quem é que quer ver uma exposição ?

Bernard Lompré tem inquestionavelmente o « bichinho » dentro de si. É francés, casado com uma lisboeta e tem um filho micaelense. “Um corisco mal amanhado” como define nos convies, que distribuiu pela cidade.

Tem a alma de um artista. Vive como um.

Mora num barco, e pretende continuar assim até aos fins dos seus dias. Para Bernard é fundamental navegar e conhecer o mundo e diferentes culturas. Define-se a si mesmo como homem domundo, e o facto de ser francês constitui apenas uma referéncia. No fundo pertence ao mundo, e este jà conhece o seu trabalho.

Por inde passa, pinta paredes de pubs, nas ruas, nas lojas. Trabalha na publicidade, e considera que arte náo é apenas pintar quadros. Tudo é possivel de transformar.

Algumas refenréncias imediatas é o Clube Naval de Ponta Delgada, o logótipo da loja “Fétal”, e quem foi à Maré de Agosto pode apreciar o cenário por si construido. Enormes panos estenderamse ao longo do palco, evocando serpentes, vibraçôes que poderiam facilmente ser encaradas como música.

Bernard retende surpreender hoje Sâo Miguel.

Vai inaugurar uma exposiçáo na Livraria Artes e Letras no centro comercial Solmar, uma iniciativa que se pretende única.O que vai estar exposto é uma interrogacáo, mas em conversa com o “Açoriano Oriental” Bernard pretendeu arrasar.

A exposiçáo vai estar patente ao público por um més, e poderá ser visitada das 10 às 22 horas todos os dias.

Uma exposiçáo que se recomenda vivamente.

Paula Gll

Le Tatouage Polynésien fait le plein
Austronésiens, Marins, Canibales et Tatoués